Como um correspondente jurídico amplia a área de atuação do seu escritório

A advocacia é uma profissão com muitas possibilidades. Uma delas é a de correspondente jurídico.

Trabalhar com a correspondência jurídica é uma atuação interessante para advogados e escritórios, pois há diversas vantagens. No presente artigo, trataremos do que é um correspondente jurídico, como a correspondência auxilia na ampliação da área de atuação do escritório e outras vantagens para o contratante e o correspondente. Confira!

Seja um correspondente jurídico Adlogados

O que é um correspondente jurídico

Um correspondente jurídico é quem presta serviços de diligências em sua região para advogados e escritórios de outros lugares. Suas funções podem ser desempenhadas também por estudantes ou bacharéis em Direito, ainda que só sejam plenamente exercidas por advogados devidamente habilitados pela OAB.

As diligências de correspondência jurídica podem ser tarefas simples, como uma cópia de processo, um protocolo e a requisição e a retirada de certidões judiciais e administrativas, e também mais complexas, como a realização de audiências, as sustentações orais e a confecção de peças processuais.

Um correspondente jurídico precisa, além do conhecimento técnico-jurídico propiciado pela formação na faculdade de Direito, saber como são as mais diversas práticas forenses e administrativas de sua região. Também precisa apresentar responsabilidade, ética, competência, discernimento e compromisso com seu cliente.

O trabalho de correspondência jurídica, portanto, demanda o mesmo decoro profissional esperado de um advogado em quaisquer outras situações. Inclusive, ao representar outro colega de profissão, deve-se ter, até mesmo, mais cuidado.

Atuar como um correspondente jurídico tem diversas vantagens, especialmente para advogados em início de carreira.

As vantagens em ser um correspondente jurídico

correspondência jurídica pode ser uma excelente oportunidade para advogados em todos os níveis da carreira, mas é especialmente convidativa para aqueles que estão no começo do caminho em direção ao sucesso profissional.

São muitas as vantagens que um advogado correspondente afere ao realizar seu trabalho. Cabe a ele, claro, conseguir aproveitar essas oportunidades. Compreenda, a seguir, algumas delas:

  • inserção no mercado de trabalho: atuar com correspondência jurídica é uma excelente forma de se inserir no mercado de trabalho, especialmente porque algumas das diligências não são privativas de advogados. Para aqueles que têm a pretensão de fazer da advocacia sua profissão, tornar-se um correspondente é uma excelente ideia;
  • qualificação em diversas áreas: na condição de correspondente jurídico, o advogado passa a ter maior contato com várias áreas do Direito. Isso permite que se qualifique em diversas delas, aumentando seu leque de possibilidades. Esse contato permite também que encontre melhores nichos jurídicos e tenha conhecimento de novas teses;
  • formação de networking: o contato do correspondente com clientes, advogados e escritórios de todo o país, ou mesmo estrangeiros, permite que o advogado tenha condições de iniciar uma ampla rede de contatos. Ou seja, é uma situação ideal para o advogado investir em seu networking;
  • aprimoramento em conhecimento forense: muito do trabalho de um advogado correspondente é de atividade forense ou administrativa. A maioria das diligências pontuais será de retirada de autos, cópias ou protocolos. Esse tipo de conhecimento, muitas vezes negligenciado, pode ser um grande diferencial para os advogados que saibam utilizá-lo;
  • diversificação dos campos de trabalho: não só o correspondente ganha maior qualificação nas diversas áreas do Direito, como pode entrar em contato com vários campos de trabalho que sequer imaginava existirem. Isso pode acontecer com instâncias administrativas ou nichos de mercado específicos. Com isso, é possível diversificar a atuação em várias frentes;
  • aumento da renda: ainda que a atividade de correspondência não seja a principal do advogado, ela significa um significativo aumento de renda. A advocacia correspondente, principalmente nas diligências pontuais, representa uma renda extra e imediata.

Ou seja, a correspondência é bastante vantajosa para os advogados que a realizam, mas é igualmente vantajosa para quem deseja contratar um correspondente. 

As vantagens de contratar um correspondente jurídico

Para quem contrata os serviços de um correspondente jurídico, a relação é igualmente vantajosa em diversos quesitos. Veja:

  • economia de recursos: a contratação de um correspondente jurídico é muito vantajosa em termos financeiros e de tempo. Como a contratação é, quase sempre, em outra região, poupa o tempo de viagem e o gastos relacionados, como passagem e hospedagem;
  • uso da expertise do correspondente: os advogados de uma região dispõem, em geral, de uma maior expertise sobre como lidar com as questões práticas forenses e administrativas e os meios mais eficazes de realizar uma diligência.

    Já sabem, por assim dizer, o Modus Operandi do fórum da comarca, como funciona o gabinete de determinado desembargador ou a sistemática para se obter cópias de um processo administrativo;

  • aumento do networking: assim como o advogado correspondente, o contratante também ganha aumento de sua rede de contatos. Diversos correspondentes indicam, portanto, um maior networking. Ao se proceder com cuidado, o contratante pode, com isso, ter melhores meios para cada uma de suas necessidades. 

Ou seja, trata-se de uma relação de ganho mútuo.

A forma de decidir as áreas de atuação na correspondência jurídica

Embora o correspondente possa atuar em todas as áreas jurídicas, não fazendo discriminação do tipo de diligência ou serviço que aceita, também é possível tornar-se mais especializado, selecionando áreas e trabalhos específicos.

Em geral, o indicado é que o correspondente inicie os trabalhos com áreas que lhe sejam mais familiares. Isso torna seu serviço mais simples e prestativo. Com o tempo e a segurança adquiridas por diligências bem realizadas, pode-se expandir os horizontes.

Advogados que têm a correspondência como um complemento de suas atividades profissionais diárias também costumam aceitar apenas diligências dentro de seu campo de atuação. Isso permite uma melhor gestão de tempo na realização das próprias demandas e daquelas dos contratantes.

Para além disso, é sempre uma boa ideia, para os correspondentes, aceitar riscos e realizar diligências fora da sua área de conforto, a fim de expandir seus próprios conhecimentos.

Casos de sucesso

Em razão do uso constante da Internet e do crescente volume de vendas no país, também houve um grande número de demandas levadas a juízo, nas mais diversas Comarcas, por força do que está insculpido no Código de Defesa do Consumidor (Lei 8.078/90), aliado à lei 9.099/95 dos Juizados Especiais de Consumo. 

O fato de as demandas surgirem em comarcas muito distantes e em números crescentes tornou inexequível o exercício do direito de defesa e de empresas rés se manifestarem em juízo, por seus próprios advogados. Estas passaram a depender da contratação de grandes escritórios de advocacia em variados municípios, de acordo com a representação comercial.

Esse e outros casos têm se tornado cada vez mais comuns. Além disso, a expansão da Internet tem permitido uma troca mais rápida de informações entre contratantes e correspondentes.

Outro caso clássico de sucesso são os escritórios em Brasília, no Distrito Federal, que trabalham exclusivamente com demandas de correspondência nos tribunais superiores, como o STF, STJ e TST, ou com processos administrativos do CADE e outras instâncias administrativas.

Interessou-se pela área de atuação abordada? Não perca mais tempo. Torne-se você também um correspondente jurídico. Conheça agora a plataforma e os planos da Adlogados!

Este artigo foi escrito por Adlogados